Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 26 de março de 2012

Os jogos da fome - Suzanne Collins

SINOPSE: Num futuro pós-apocalíptico, surge das cinzas do que foi a América do Norte Panem, uma nova nação governada por um regime totalitário que a partir da megalópole, Capitol, governa os doze Distritos com mão de ferro. Todos os Distritos estão obrigados a enviar anualmente dois adolescentes para participar nos Jogos da Fome - um espectáculo sangrento de combates mortais cujo lema é «matar ou morrer». No final, apenas um destes jovens escapará com vida… Katniss Everdeen é uma adolescente de dezasseis anos que se oferece para substituir a irmã mais nova nos Jogos, um acto de extrema coragem… Conseguirá Katniss conservar a sua vida e a sua humanidade? Um enredo surpreendente e personagens inesquecíveis elevam este romance de estreia da trilogia Os Jogos da Fome às mais altas esferas da ficção científica.

OPINIÃO: "Os jogos da fome" é um livro que marca. 
Pela voz de Katniss, conhecemos o mundo de Panem, uma nação opressiva que controla o povo pelo medo.
A hipocrisia está assente n' "os jogos da fome" que servem para relembrar o povo do que acontece se se instalar uma guerra. Segundo o capitólio, estes tributos são corajosos sacrifícios, quando no fundo são apenas crianças - com idades que variam dos 12 aos 17 - cujo nome foi tirado no dia da ceifa não tendo agora forma de fintar a sorte.
Vinte e quatro tributos são enviados para uma arena até sobrar apenas um. Katniss impõe-se pela irmã como voluntária e juntamente com o filho do padeiro, Peeta, são enviados para uma floresta carregada de perigos e de fome de sobrevivência.
A ansiedade é constante e a imprevisibilidade um fator muito importante na leitura frenética que se sente ao longo das páginas.
Katniss é uma jovem forte e corajosa, pelo menos assim o tenta aparentar. Foi criada a engolir as suas emoções que mais a fragilizam para proteger a irmã Prim da vida triste e precária que têm no distrito 12. A fome é uma realidade muito pesada neste distrito. A habilidade da caça será o seu ponto forte durante o reality show.
Peeta é o filho do padeiro. É um jovem calmo, simpático e trabalhador. As suas habilidades são a camuflagem - que aprende a decorar bolos - e a força - de carregar sacos de farinha diariamente. Peeta é um rapaz de emoções fortes e transparente. O contraste com Katniss não poderia ser maior.
Haymitch é o bêbado mentor dos tributos do distrito 12. Ganhou os jogos da fome no passado e a sua personalidade é revelada ao longo do livro. Torna-se uma personagem masi complexa e interessante do que seria de prever nas primeiras referências.
Gale é uma personagem quase ausente, exceto por se encontrar na mente e memória de Katniss constantemente. É amigo da Katniss e percebe-se que o sentimento romântico, apesar de nunca falado, está lá. É deixado muito mistério no que toca à personalidade dele.
Além da problemática política e existencialista e da temática obviamente presente do Deus ex-machina, há o lado pessoal das personagens e consequentemente um triângulo amoroso. 
Os triângulos amorosos têm sido considerados clichés ultimamente. No entanto, uma vez que o enredo principal não é a vida amorosa de Katniss, o triângulo amoroso é uma mais valia. Cria emotividade e aguça a curiosidade.
Por fim, a nível técnico, temos uma narrativa na primeira pessoa com o uso do presente do indicativo. Esta opção verbal permite ao leitor acompanhar passo a passo os movimentos de Katniss, o que aumenta o fator surpresa.
O vocabulário é simples e os termos são conhecidos apesar de se tratar de um livro futurista. Há alguma referência a espécies de animais e outros objetos fictícios, mas mesmo estes são explicados aquando a sua aparição. 


O FILME: Depois de ter tido alguma formação em cinema e literatura, nomeadamente em adaptações cinematográficas, passei a conseguir identificar boas adaptações que vão para além dos ingénuos "cortaram imensas cenas", "não foi aí que ela disse isso", entre outras. 
Partindo daí, a adaptação ao livro "Os jogos da fome" rendeu cerca de duas horas e meia de filme, o que já é considerado extenso.
Uma vez que temos uma narrativa na primeira pessoa, a opção seria utilizar voz-off durante quase todo o filme. Para cortar esse efeito que torna os filmes aborrecidos e parados, a opção foi dar-nos acesso àquilo que Katniss não viu. Logo, temos cenas dos produtores dos jogos e das reações dos telespetadores ao que se vê na televisão. As explicações relativas a tantas cenas, por exemplo o que são as vespas-batedoras - que  são-nos dadas por Katniss no livro - são aqui explicadas pelos apresentadores do espetáculo. Este método permitiu dar velocidade à história.
O casting está bem escolhido e as ligações entre as cenas pré jogos bem estruturada. 
O final é que me pareceu apressado e houve alterações que não encontro justificação, uma vez que não alterariam a nível de tempo e orçamento - que é o que move a sétima arte.
O que teve de mais negativo foram os planos demasiado rápidos que por vezes não deixam perceber o que se está a passar, e o som que é cortado ou substituído por música nas cenas mais fortes. Pode ter sido para suavizar a ação, não deixando as cenas terem a dureza que realmente possuem, mas a meu ver, não foi uma boa escolha. A história preza pela crueldade e pela força do argumento fatalista. Tirar-lhe isso, é tirar-lhe a essência.
No que toca à interpretação das personagens, Katniss é a única que deixa um pouco a desejar, sobretudo no que toca às emoções. Ao longo do livro vamos vendo uma Katniss a fingir aquilo que sente para as câmaras, mas sabemos como se sente realmente. Penso que deveria ter havido uma maior cuidado e passar essa imagem. Contudo, tendo em conta que era a personagem mais complicada de caracterizar, a atriz fez um ótimo trabalho.
Em suma, tanto ao nível cinematográfico como ao nível literário, "Os jogos da fome" é uma história interessante, de elevado grau de ansiedade e que tem imenso por onde refletir. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo do blogue